O sabor da vida alheia

       O sabor da vida alheia é viciante e causa dependência para muitas pessoas, parece até que algumas delas foram contaminadas com um tipo de micose na língua, e só para de coçar se estiverem falando mal dos outros, é deprimente ver tantas pessoas com esse tipo de doença quase incurável.

A sociedade de um modo geral deve ser paciente, e  complacente com pessoas que se alimentam com o sabor da vida alheia, porque esse distúrbio afeta muita gente, e em raríssimas exceções a pessoa admite tal comportamento, e sem admitir a doença jamais vai encontrar a cura.

Muita gente, devido o veneno que carrega em suas palavras são até comparadas com algum tipo de cobra.  Mas é um tipo de comparação inaceitável, as serpentes nós já sabemos o perigo que elas representam e nos defendemos, mas para quem contraiu o vírus do sabor da vida alheia, somos vítimas fáceis para elas, porque a camuflagem dessas criaturas, é bem mais complexa.

Nós podemos ajuda-las, recentemente foi feita uma descoberta importante, o soro da indiferença agrava ainda mais o quadro clínico desses impacientes que sorveram o sabor da vida alheia. Precisamos ouvi-los, e em seguida aplicar uma grande dose de silêncio, se fizermos umas dez seções com esse tipo de terapia, o resultado será excelente.  Poderá até nem curar, mas vai controlar a proliferação da doença.

O sabor da vida alheia é igual ao pecado, todo mundo tem, pouco ou muito, mas ninguém  se isenta disso. A grande diferença é que alguns são temorosos e sonham com a porta de céu, mas quem respira o sabor da vida alheia, é de um estilo mais apressado, e a porta que abrir primeiro está de bom tamanho, pode ser até a do inferno.

Não podemos ignorar uma grande verdade, todos nós somos responsáveis por esses problemas existirem, se não déssemos importância e não alimentássemos a quem saboreia o sabor da vida alheia, ele já havia desaparecido. Mas falhamos, e agora faremos com que o nosso próprio silêncio encontre dentro de cada um de nós, um sentimento chamado PERDÃO.

Maninho

Tags

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

top